Explicado, muito bem explicado (3).

A Palavra dos Outros

Os intervenientes na conspiração montada contra Sócrates são conhecidos. Para além de Elias Torrão, inspector da Polícia Judiciária entretanto condenado em tribunal por fazer chegar documentos do processo Freeport a jornalistas, e de Zeferino Boal, militante do CDS-PP que foi candidato derrotado à presidência da Câmara de Alcochete, participaram nos chamados encontros da Aroeira:

    • Armando Carneiro, presidente da administração da Euronotícias, proprietária da revista Tempo, e dono da casa onde se realizaram os encontros;
    • Miguel Almeida, antigo chefe de gabinete de Santana Lopes e deputado do PSD;
    • O advogado José Dias, que trabalhou no escritório de Rui Gomes da Silva, ex-ministro-adjunto e ministro dos Assuntos Parlamentares do Governo de Santana Lopes; e
    • O jornalista Vítor Norinha.

Pacheco Pereira reconheceu mais do que uma vez que se tratou de uma conspiração, embora a desvalorizasse ao dizer que fora concebida por aprendizes de feiticeiro.

Hoje, no Público, o eremita da Marmeleira escreve o seguinte: “Seis anos de Freeport, um arranque, uma operação de aprendizes de feiticeiros (uns imberbes, comparados com os de hoje no gabinete do primeiro-ministro) (…)”. A que se refere Pacheco? Há gente “no gabinete do primeiro-ministro” a promover novos “encontros da Aroeira” para linchar adversários políticos? Há gente “no gabinete do primeiro-ministro” mancomunada com agentes da PJ para inventar provas contra figuras da oposição? Há gente “no gabinete do primeiro-ministro” a ter encontros em cafés da Av. de Roma, em Lisboa, para congeminar inventonas de escutas?

Pacheco Pereira não é um josé manuel fernandes qualquer. Sendo deputado à Assembleia da República, tem deveres acrescidos: se tem conhecimento de que gente do “gabinete do primeiro-ministro” anda por aí a fazer “operações” à margem da lei, o eremita da Marmeleira deve comunicá-lo à Procuradoria Geral da República, para que esta possa actuar em defesa da legalidade democrática. Se tudo não passa de calúnias, matéria em que se especializou no consulado da Dr.ª Manuela, quando se convenceu de que viria a ser “ministro de uma pasta das pesadas” (aspiração confessada numa entrevista ao DN nos tempos áureos do ferreirismo), Pacheco Pereira confirma que se transformou num farrapo e que não tem emenda.

Roubado: AQUI

Anúncios

Sobre Elisiário Figueiredo

Camaradas...! Eh, camaradas...! ouvi, Que vou dizer-vos quem sois, Pois vou dizer-vos quem sou.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

3 respostas a Explicado, muito bem explicado (3).

  1. Tonibler diz:

    Não se preocupe, habituados a roubar estão eles. E não é posts…

  2. Não percebi o seu comentário , mas os nomes a que o post se refere não lhe diz nada?

  3. Tonibler diz:

    Não. Devem ser uns trafulhas da mesma área de negócio do Sócrates e dos gajos que escrevem isso e que fazem do parasitar o meu trabalho o seu modo de vida. Isso demonstra o quê, que deviam estar todos na cadeia? Mas isso eu concordo. Todos!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s