Gestão Fantástica

Teixeira dos Santos, o sujeito que alguém foi desencantar para a gestão das finanças nacionais e Constâncio, o inenarrável governador do Banco de Portugal decidiram, em meados de 2008, nacionalizar o Grupo Banco Português de Negócios para evitar uma reacção em cadeia ou, nas suas palavras de quem não percebe de que está a falar, ‘risco sistémico’.

Entretanto, Constâncio foi chutado para canto e deram-lhe uma promoção dourada naquilo que se poderia equiparar à nomeação do Bibi para presidente da Comissão de Protecção de Menores mas, pelo menos, os alemães é que lhe pagam e só isso já é positivo.

Teixeira dos Santos vem agora apresentar a decisão de privatização do dito Banco Português de Negócios, depois de 2 anos de gestão do estado da Caixa Geral de Depósitos pelo que vale a pena ver no que essa decisão resultou. A informação é pública e está aqui, relativamente a 2008, e aqui, relativamente a 2009.

Em 2008, a administração que a CGD lá colocou, em nome do rigor fez, e bem, colocar nas contas de 2008 anomalias que detectou nas contas de anos anteriores. Acrescido a isto, o BPN apresentou um resultado líquido negativo de 575 milhões de euros, já com a gestão da CGD, aumentando para o dobro. Portanto, temos 1194 milhões que não estavam nas contas, de acordo com a administração nomeada pela CGD e 575 milhões que esta acrescentou.

Em 2009, a administração nomeada pela CGD, conseguiu um resultado negativo de 216 milhões de euros, nos quais inclui o efeito positivo de 270 milhões de euros de provisões desfeitas, isto é, o resultado seria de 486 milhões de euros. Acrescendo a isto, a administração da CGD reduziu o saldo do depósitos a METADE! e o crédito vencido atingiu UM QUARTO da carteira de crédito total.

Resumindo, roubo do Oliveira e Costa 1,194 milhões de euros e um banco a funcionar. Gestão da Caixa Geral de Depósitos prejuízos de 1,155 milhões de euros e um banco morto. Único depositante – Caixa Geral de Depósitos. Ou seja, a administração que o banco do estado lá colocou a gerir consegue ser pior para o banco que a anterior a roubar. Notável!

Ora, isto é o resultado de mandar miúdos às compras. Ter um ministro da finanças que percebe tanto de banca como o Constâncio que, por sua vez, é uma espécie de Santana Lopes da finança. O custo para o país, accionistas, clientes e trabalhadores é gigantesco porque estes ignorantes irresponsáveis fizeram aquilo que toda a gente com dois dedos de testa lhes disse para não fazerem. E o anormal quer agora privatizar aquilo? A quem, ao cartel de Medelim?


Anúncios

Sobre Tonibler

Um vintém será sempre um vintém, um cretino será sempre um cretino
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s